Nina Simone em "The Thomas Crown Affair"

BBC - As Pirâmides Perdidas De Caral






Invisible Light

Um hit holandês!

Olha o filme que vai bombar na Holanda. Curto muito esse tipo de humor!!! Segundo um amigo, esse filme tem atraido mais pessoas na Holanda que o Harry Poter. MUITO JUSTO!!

Eddy Grant em "Electric Avenue"

Bom demais...

O Cara!

Manu Chao

¿Mamá...?
¿Qué?
(Señor presidente)
¿Puedo tener Hijos?
Ahora no porque tienes siete años
(Señor presidente)
Pero los tendrás cuando seas mayor y te cases
¿Quién tiene antes el niño, la madre o el padre
El padre pone la semilla como te he dicho,
y la madre pone la Tierra
en que esa semilla hará la flor.
¿Y quién es la flor?
¿Por qué no crecen los niños dentro de los papás?
Yo ya estoy deseando tener niños, ¿y tú Quique?
Oh Yo no...



Gremlins




Para fazer o download do torrentz desse clássico dos anos 80, clique AQUI! O torrentz já vem com Gremlins 1 e o 2. Coloquei também as respectivas legendas no arquivo.

Ghost dog the way of the Samurai, de Jim Jarmusch

"Nosso corpo recebe a vida no meio do nada. Existir onde não há nada é o significado da frase... 'A forma é o vazio '. Todas as coisas serem fornecidas pelo nada... é o significado da frase: 'O vazio é a forma'. Não se deve achar que essas são duas coisas separadas."

Fugir do estereótipo é certamente a melhor forma de se construir um caminho original. Claro que a construção de um universo próprio, esse ponto de vista exclusivo do artista, não se limita apenas a essa manobra dramatúrgica, vai muito além. Penso nesses pontos e penso no quanto é complexa a busca por um olhar próprio do mundo, principalmente quando se tem em mente um desejo de verbalizar através de uma linguagem específica, como a cinematográfica e tantas outras, aquilo que nos inquieta e nos apaixona. Vejo inúmeros cineastas donos de seus próprios estilos, hoje coloco um a mais nessa lista: Jim Jarmushc. Para o cineasta o mundo é longe de ser um padrão social fixo, as coisas são simplesmente uma oportunidade para se constituir enquanto individuo através das inúmeras identificações que podemos ter com aquilo que nos é apresentado. Tudo é fluído. Nada mais libertador! Dono de uma ironia visual, ao ver esse filme percebemos claramente a riqueza de sua linguagem audiovisual e mais essencialmente vemos a diferença daquilo que podemos trabalhar dramaturgicamente na televisão e no cinema. Senti ares de Lynch em sua obra. É um filme pra se ter em mente.

Episódio "Vatos", The Walking Dead

O tema desse post é a série como um todo, mas em especial volto minha atenção para o episódio “Vatos” (S01E04).

Inexplicavelmente o mundo atravessa um apocalipse zumbi que coloca em risco a vida dos seres humanos. Não sabemos de onde vem, muito menos para onde vai essa situação limite a qual todos os personagens de The Walking Dead se deparam. Vemos que estão a todo o tempo tentando se proteger do pior – a morte.

“You fascinate me”

Pensar numa realidade catástrofe, como essa, proporciona à narrativa inúmeras situações extraordinárias. Para uma obra de ficção, não há melhor prerrogativa do que começar por algo que fuja ao padrão social comum; que seja ilegal (Weeds), amoral (Dexter) ou até mesmo, impossível (?), como é o caso da trama de The Walking Dead. Sempre teremos uma atração inquestionável por aquilo que nos é moralmente condenável. Somos um emaranhado de desejos, tanto para o mal, quanto para o bem; talvez por isso essas narrativas façam tanto sucesso, pois trabalham com o politicamente incorreto dentro de um campo de verossimilhança da psicologia humana.

Dentro dessa realidade apocalíptica e ameaçadora, Robert Kirkman, um dos criadores da HQ Walking Dead e roteirista da série, observa que para sobreviver as pessoas fazem o que elas tiverem que fazer por suas vidas e em alguns momentos até os mais violentos podem se tornar um daqueles que podem nos proteger. Daryl Dixon é um exemplo de personagem que cumpre essa função. Vejo que ao colocar integralmente os personagens sob uma ameaça intermitente se proporciona um estado de conflito que pode, a qualquer momento, desintegrar um instante aparentemente tranqüilo. O episódio “Vatos” traz exatamente esse predicativo. Para além desse ponto de vista, considero “Vatos” um emblema na questão de se trabalhar a relação dramática dentro de um episódio. Temos dois pólos: começo e fim, neles cenas completamente opostas se dialogam ao estabelecer eixos comuns para um mesmo objetivo: o cliffhanger do final do episódio. Abre-se uma cena com uma imagem belíssima no segundo inicial do capítulo, as irmãs Andrea e Amy – após o feliz reencontro – estão a pescar e a conversar sobre a educação diferenciada que o pai proporcionou a ambas. Essa cena é extremamente bem recortada. É uma relação familiar de grande amor, conexão. Ao mesmo tempo em que o próprio discurso, ao aprofundar a ligação entre as irmãs, tenciona para que o espectador se identifique com elas, com a fraternidade de ambas. Identifico essa fraternidade como o ponto culminante para o drama que veremos na cena final de “Vatos” e para substancialmente entendermos a dor de Andrea. Essa cena da pescaria é seguida por Dale observando um comportamento tão inusitado quanto suspeito por parte de Jim. Esse é o segundo elemento que irá fortalecer todo o drama do cliffhanger do final do episódio. Pois, temos, após uma bela cena tanto de paisagem quanto de delicadeza de relações, um homem cavando inúmeras covas. Harmonia e suspense andando lado a lado.


Agora sabemos que as irmãs têm em si sua única família, a morte de uma delas acarretará um grande sofrimento, principalmente depois que temos a dimensão, dada pela cena, do amor que as duas se reservam. Tudo sempre bem planejado. Ao longo da história permanece o mistério: covas estão sendo cavadas, por quê? Durante o episódio, Rick Grimes ainda está no centro de Atlanta com seus homens a procura de Merle, que já não está no lugar em que fora algemado. Vemos a força de Merle ser colocada em destaque, pois o mesmo executou sua fuga mesmo depois de ter serrado o próprio punho. Certamente Merle será um personagem a ser usado posteriormente e, novamente, como um instrumento para se criar cenas de suspense, uma vez que o personagem é uma vingança iminente. Com o desaparecimento de Merle, Rick volta a sua atenção para a sua mala de armas que ficou perdida pelas ruas. O bando parte para recuperá-la e é surpreendido pelos homens de Guilhermo. Após uma resolução pacífica de um conflito que poderia gerar um derramamento de sangue entre as “gangues”, Rick parte para o acampamento. Entretanto, seu veículo fora roubado, o que atrasa sobremaneira sua chegada. Esse atraso é proposital, pois o desfecho precisa disso. Cai à noite, em volta de uma fogueira, num clima aprazível, os personagens se entretêm. Estão aparentemente longe do perigo, longe de Atlanta! Estavam despreocupados quando o sonho de Jim e o motivo por ter cavado tantas covas se fez realidade.


É uma grande cena dramática em que, para os que acompanham a série, inúmeros elementos se juntam. Agora se criou uma rachadura dentro da organização do grupo, pois já não é mais seguro ficar onde estão. Há, ainda, o pavor que ronda os personagens. No apocalipse que tomou conta do mundo, ninguém poderá garantir segurança. Todos estão sob ameaça e agora, mais do nunca, precisam se mover em busca de novas estratégias.

No quinto episódio o drama de Amy e Andrea retorna e, novamente, vemos um excelente trabalho de cena. Reparem no recorte da câmera nesse desfecho da relação das duas.


Cliffhanger

(WEEDS S02E12)

Resumir a intensidade de uma cena em uma palavra sempre me pareceu algo um tanto castrador. Porém, poder exprimir, em conceito, todo o processo decorrente de inúmeras ações dramáticas que foram semeadas ao longo de uma temporada e que se frutificarão em um surpreendente desfecho é, no mínimo, espetacular. Considero que para se jogar um personagem no precipício é preciso ter todo um planejamento determinado, que vai se modificando conforme as necessidades da trama. Trata-se de um caminho que leve e potencialize o conflito-abismo, aparentemente intransponível, até o personagem. Isso pode durar um capítulo, um episódio, ou até mesmo uma temporada inteira, depende da complexidade e das exigências desse processo. Esse conceito se resume a um termo que mensura suspense – é o gancho –, ou seja, o momento de exposição do personagem diante de uma situação limite, emblemática, surge um dilema que por muitas vezes pode ser fatal. Define-se o propósito da cena: alimentar o desejo do espectador de continuar nela. Todo esse momento de ansiedade em que esse emaranhado de ações explode à medida que não se conclui a situação conflitante, atrasando sua posterior conclusão, compreende-se por CLIFFHANGER!

Lembrei de inúmeros cliffhangers que já me deixaram completamente de queixo caído. Em especial vinculo a esse post uma das cenas que mais tem me intrigado: o último episódio da segunda temporada de Weeds.

Nesse trecho Nancy precisa cumprir sua parte do acordo com U-Turn, que a prometeu um pagamento em dinheiro por toda a droga que Nancy foi obrigada, por Peter, a prematuramente se desfazer. Entretanto, paralelo a esse acordo, Heylia James fez outro acordo de repasse da carga, oculto à Nancy, para os traficantes armênios. Heylia tenta, ao seu jeito, consertar o problema “Peter” e acaba chocando um acordo ao outro. Ao final, ambas as violentas partes querem a mesma coisa: a droga. Nancy está na ponta de um triângulo, fogo cruzado de uma questão até que simples de resolver, pois a droga está em seu cofre. MAS NÃO ESTÁ! A protagonista é pega por um fator totalmente inesperado, pois Silas, seu filho, querendo entrar nos negócios da mãe faz uma operação de chantagem que envolve o roubo da mercadoria, fato ainda não ciente por Nancy. SOMA-SE ao fato de que ao longo da temporada Silas vinha ameaçando o território de outro personagem, a excelente criatura CELIA HODES, que descobre JUSTO no último episódio quem estava por traz do roubo de suas câmeras de segurança, sim, era SILAS BOTWIN. Celia, enfurecida, vai em busca de Silas no pior momento tanto para o adolescente, que está com a carga em seu carro, quanto para a protagonista e por que não dizer de si própria? O cliffhanger desse desfecho vai por esse cálculo: Nancy está sob ameaça de vida e precisa entregar a droga, Silas está com a droga, mas Celia chega, com a POLÍCIA, para prender o adolescente, e agora? Sem a droga, Nancy será morta!

Esse episódio e os dois posteriores – terceira temporada – completam um triângulo de extrema complexidade e competência, principalmente por proporcionar ao espectador momentos de grande ansiedade. Há cenas de grande aprendizado.

Desconectar para conectar

Comercial da Tailândia!

Maria de Fátima (1988)

Making Of: "EL SECRETO DE SUS OJOS"

Michel Gondry

Dexter Early Cuts: Dark Echo Chapter Five

Tenda Otomana

Essa seria a tenda do meu circo:


Ref.:
Mar. 01, 2010 - Dresden, Saxony, Germany - A staff member of Dresden State Art Collections eyes an Ottoman tent of 20 metres length dating 17th century in the so-called 'Turkish Chamber' in Dresden, Germany, 01 March 2010. Prince Elector August II the Strong had brought the exhibit to Dresden in 1729. The Electoral Saxon collection of oriental art will re-open on 07 March 2010 with 600 exhibits displayed on 750 square metres. Photo: RALF HIRSCHBERGER (Credit Image: DPA/ZUMApress.com)

O Universo de John Waters

When a little drama get into a Circus





Jenji Kohan

Sem dúvida nenhuma Jenji Kohan é uma das melhores roteiristas que tenho notícia!

Clipes: Madjo e Cocoon


The Walking Dead

Ainda pensando sobre a série... aguardarei os próximos episódios!

How To Be Alone

Eden a L'Ouest (2009)

É muito cômodo impor barreiras aos imigrantes quando se está tomando sol no Éden Club, mas fácil ainda é esquecer todo o processo histórico pelo qual a África e outros continentes foram avariados. Mas fácil mesmo é ser presidente e esquecer que tais questões existem, assim não precisa se sentir responsabilizado pelo o que seu povo fez a outros... e ainda seque fazendo.

Mitos cristãos

(ai que meda)

Estava a passar "O Exorcista – O início" no canal a cabo e eu fiquei a me perguntar: o que o cristianismo fez com a nossa cabeça? Encheu de coco de pombo? A história tem o seguinte cálculo: existe o mal e ele está fora de nós, logo temos a oportunidade de sermos puros, pois o mal supostamente não nos pertence. MAS, se o mal se aproxima de nós temos uma arma, a única: Jesus! É exclusivamente Jesus quem tem a força e o poder de nos proteger, é nossa única ferramenta de luta. O mito do cristianismo não considera, não pensa o ser humano como um agente de sua própria força. Não vê que a alma humana possui uma multinstrumentalidade para além de um posicionamente, que por sinal resume o sentido – aliás existe sentido? – de “conflito de vida”, entre bem e mal. Cada dia que acordamos sentimos desejos novos que certamente não se encaixam nesses dois paradigmas, muitas vezes são desejos superiores e impassíveis a tolas classificações. Mas isso é o de menos. Pensar que o filme, com todas as suas cenas de terror e de catarse, nos impressiona é pensar que ainda nos deixamos manipular por essa história que atravessa séculos e que se alojou em nossas mentes e desde então vem guiando, de um jeito ou de outro, cada passo de nossa sociedade. Não consigo pensar no social sem os efeitos do cristianismo, não consigo me pensar sem isso. Mas consigo ver o quanto podemos elaborar histórias que dialogam com esse mito, subvertendo-o ao atravessar sua falsa capacidade de imutabilidade às transformações do nosso tempo. Podemos modificar seus paradigmas. Aliás, muitas séries de TV andam pensando nessa possibilidade.

Chasing Pirates, por Norah Jones

A linha da vida:

Os Irmãos Tchekhov: cenas da vida familiar



Olha, faz tempo que não via tamanha força entre texto, história e encenação nesse rolê que algumas pessoas chamam de "teatro clássico". Fiquei impressionado com esse espetáculo. Excelente!

We All Want to Be Young (legendado)

imagens #1



Personagens que AMO!


Patty Hewes
(on Damages)

Wishery

A PORTA

(CIA TROADA)

A força da imagem desse espetáculo me chamou a atenção. A peça parte de um jogo de máscaras na tentativa de recriar as experiências que Franz Kafka tinha com seus conteúdos oníricos, com o seu sono, basicamente, sua insônia ou os momentos em que sonhava acordado. Acho intenso pensar em "Kafka" e "sonho" enquanto ingredientes para uma trama. No entanto, o espetáculo não consegue chegar nessa intensidade, apesar de algumas interessantes alternativas. Ao juntar elementos de grande potência simbólica, como, por exemplo, uma porta, a dramaturgia não consegue extrair integralmente as possibilidades de representação que esses elementos, ou até outros, poderiam exercer; para além da simplicidade com que a cena foi pensada, quero dizer. Há momentos cômicos, mas não há uma investigação do devaneio, da loucura, da desestruturação dos sentidos, típico papel dos sonhos. A peça, a julgar pelo que se propõe, esvazia-se em alguns momentos.

A PORTA

de 28/10 a 21/11

Grupo: Cia. Troada - texto: Vinicius Torres Machado e Fernando Rodrigues - direção: Vinicius Torres Machado - elenco: Ana Caldas Lewinsohn, Beto Souza e Elisa Rossin
Tragicômico. (60min, 14 anos)
Sinopse: O espetáculo conta a história de uma noite de insônia de Gregor, apresentando a máscara em visita ao universo kafkiano. Nesse encontro, nasce um tipo de humor que tira sua força do "nonsense", da brincadeira com o absurdo. Quinta a sábado, às 21h; domingo, às 20h - Ingressos: R$ 20,00 (retirada de ingressos: duas horas antes de cada sessão) - preço popular (retirada de apenas um ingresso por pessoa): dia 4/11 (R$2,55) - Sala Jardel Filho (324 lugares) - Centro Cultural São Paulo.

Enquanto me alimento desse mundo...

deparo-me com o extraordinário:

Personagens que AMO!

"If "ifs" and "buts" were candy and nuts, we'd all have a merry Christmas".

Sheldon Cooper
(The Big Bang Theory)

SECRETS OF MANKIND

Uma torre entre a névoa ofuscante
A multidão vibra em êxtase
Todas as fronteiras são abolidas
Não há vida
Não há morte
Luz, luz e luz
Brilho dançante em folia
Finalmente
Os segredos da humanidade
Revelam-se
Na torre espectral
Na imensidão das trevas

Akaji Marco
Dançarino, ator, coreógrafo e diretor

(Akaji Marco)

Fico imaginando o gozo de um mineiro ao achar uma pesada pepita de ouro. Que valor ela teria? – Ele imagina. Ele a pesa, para medir, para se certificar. Espanta-se, pois a partir dali seus problemas financeiros se findarão, muito embora suas angústias não deixarão de lhe perseguir. A felicidade não é uma constante amiga do tempo, ela se fideliza mais ao momento, às pequenas portas que se abrem ao longo da trajetória de nossa própria narrativa. Tal qual a encontrar uma pepita meus sentimentos me felicitam, me dominam e degeneram minha tristeza. Nunca esperei encontrar um espetáculo como esse que vi, em que a ausência de palavras se passa despercebida e o corpo, o gesto, os objetos, as roupas e as expressões se orquestram numa só linguagem para traduzir todos os conflitos da humanidade: o bem, o mal, os mitos, o ímpeto de saciedade, os deuses, o capitalismo, homemulher, espíritos. Os bailarinos com seus pés moles, soltos, são pés de pano que laceiam o ar, na verdade, flutuam numa nuvem onírica; livre interpretação. Quem bom é sonhar sem ter sentido, que bom é ter o palco como uma outra dimensão. Sai do espetáculo com a sensação vazia, com medo de nunca mais ver algo em tamanha magnitude. Não sei medir essa peculiaridade. Eram rostos de horror, risos, almas divididas. Minutos que nunca sairão de mim. É a sensação nítida de poder atravessar o impossível sem que meu medo possa me ferir. Perdi-me nos sentidos como se andasse por uma floresta, em desvario. Eu não consigo traduzir tudo o que senti, nem medir a força de toda a riqueza humana representada nos movimentos.

CIA DAIRAKUDAKAN
(Japão)

Eu via, eu sonhava... e eu agradecia. Agradecia por existir, e por existir diante de mim tudo aquilo que via.

"SECRETS OF MANKIND"


SESC PINHEIROS
3 E 4 de Novembro, 2010
21h

French & Saunders - Old Ladies Museum Tour

Joseph Beuys



"(...), a dignidade humana está indissoluvelmente ligada à inviolabilidade da pessoa. Quem ferir este princípio estará abandonando a esfera da humanidade. Por outro lado, os sistemas que precisam ser transformados edificam-se sobre as mais variadas formas possíveis e imagináveis de violência. Desse modo, qualquer uso de violência será a expressão de um comportamento que está em conformidade com o sistema; logo, reafirma justamente o que se pretende destruir".

Beuys não tem absolutamente o menor limite na sua tentativa de se pensar um novo mundo, uma nova ordem. Ele não apenas sugere que isso precisa ser feito com extrema rapidez, tamanho o abismo que o atual sistema nos lança, mas propõe formas de se processar/efetuar toda essa - radical - mudança. Sua teoria parte de uma premissa quase espiritual de solidariedade e de direito. É utópico demais, é brilhante! Sobre essa violência que Beuys tanto fala, devo dizer, é uma violência claramente psicológica. Sua cognição acerca do dinheiro reflete um pouco do que Lacan andou inferindo, sobre o caráter simbólico da moeda. Sobre o valor que damos a nós mesmos. Como se esse jogo social, ou contrato social, nos inquirisse o tempo inteiro a pergunta: qual é o meu valor? Pois tudo se tornou mensurável, tudo é senão um produto.
Ao ler Beuys me vem muito à cabeça um outro autor que predisse quase exatamente sobre esses mecanismos do sistema, em particular semelhança com o parágrafo acima, falo de Louis Althusser e seu "Os Aparelhos Ideológicos de Estado". Também uma ótima leitura.

[in: Conclamação à Alternativa]

Sigo na descoberta dos pensamentos desse grande artista...

Christina Hendricks (on Mad Man)

poema #2

o novo:
é o quereres
é selva densa,
espinhos de açucar

Senator Ruth Martin e Hannibal Lecter

Uma das melhores cenas que já vi!

Tramas!

Agent Starling e Deborah Morgan lidam exatamente da mesma forma com seus respectivos pais. Pais que tiveram um passado similar. Homens que tiveram a responsabilidade de definir a personalidade e o destino dessas personagens. Personagens que criaram grandes tramas psicológicas. Não consigo deixar de pensar na importância que essa relação tem ao definir ações dramáticas. Parece que as boas idéias nascem de pequenos princípios e crescem ao se deixarem envolver por grandes pesquisas.

Referência de animações sobre Consumo Sustentável






'Will & Grace' EW.com Reunion

Luiz Fernando Carvalho

“A função do diretor é criar acontecimentos diante da câmera, para que depois ele filme.”

“A minha motivação no cinema é a passagem de um estado para outro. A cada instante preparar o espectador, como um pintor escolhe e mistura as suas cores, ou como um músico, ou como um pajé que reúne suas folhas para depois extrair delas um conjunto de sensações.”

“Além de fundar a narrativa, a linguagem é também um instrumento que, com o seu rigor, desorganiza um outro rigor, o das verdades pensadas como irremovíveis. Linguagem é a mesma coisa que necessidade.”

“O paradoxo de um filme reside no fato de só ser cinema no exato momento de seu começo, na tela ainda em branco. E permanece em branco quando nada ainda foi projetado na sua superfície. O que faz com que um filme seja cinema, que a linguagem visual de um filme seja cinema, é também uma espécie de ritual prévio que traça o espaço da consagração das imagens, e isso é justamente a imaginação. A imaginação precede a criação das imagens.”

“Tem um pensamento do Paul Valéry que eu acho maravilhoso, que é: como apreender emoções sem o tédio da comunicação? É isso que me interessa!”

“Depois que você atinge um conhecimento e uma segurança da gramática cinematográfica, você consegue perceber um pouco mais a função, a dramaturgia, e, principalmente, a emoção de cada lente. Você começa a se soltar e a se oferecer a esse olho, ele passa a ser um prolongamento seu.”

“O artista trabalha no imponderável, numa zona de mistério e de queda o tempo inteiro, ele está sempre morrendo e nascendo. Eu sei que cada obra vai exigir isso de mim, que eu morra e nasça dentro dela mesma, para escobrir como contá-la.”

“Eu não me preocupo com ibope. Tenho que pensar numa força maior do que isso, que se chama comunicação. Então, quando eu estou trabalhando, estou sempre tentando chegar à essência dela, na minha essência. Eu me exponho muito nos meus trabalhos, eles falam por mim de uma forma muito melhor. Então quando eu faço o processo de busca para um trabalho, que é como uma escavação, eu procuro saber se eu estou conseguindo passar primeiro para mim e por mim aquela informação, aquele sentido, aquele signo, aquele sinal.”

“O Brasil é múltiplo, multifacetado e imenso, todo mundo sabe. O que é um bom tempo pra você em termos atmosféricos, aqui no Rio, é um péssimo tempo para o sertanejo. O sertanejo abre a janela, vê as nuvens carregadas, o céu pesado, e fala: ‘Que lindo dia!’”

De Luiz Fernando Carvalho: "Afinal, O que Querem as Mulheres?"

Filme: "Eu matei a minha mãe"



Xavier Dolan tinha apenas 17 anos quando escreveu, dirigiu e atuou em seu primeiro longa metragem, "Eu matei a minha mãe". Filme autobiográfico, curioso, às vezes cansativo, às vezes bem humorado, intrigante. Uma boa oportunidade de se olhar através do buraco da fechadura da mais primitiva e complexa relação humana: mãe e filho. Recomendo! [Cine Belas Artes e Unibanco Arteplex]

A Dama da lotação

poema #1

dei-me de mãos à noite
esqueci-me da lua
entre as horas:
a laje, a música.
algumas perguntas
sorriso fugidio
então, a noite
deu-se de ombros
e sua tez, mais que a nuca
enrubesceu-se.
fiquei tranquilo,
pois a ouvi falar
de um mundo humano
ao qual ela foi se apaixonar
assim,
arrancou de mim um sorriso
e disse do mesmo sentimento
semear.

Man In The Mirror

The Original Human PAC-MAN Performance

Weightless

Tempo

Black and Blue

William Turner






Como pôde ter existido um cara desses...?
Surpreendente!

Balloons

Florence

Double Indemnity, 1944 [Pacto de Sangue]


Pense antes de tramar qualquer jogada... Ah, também não esqueça da máxima sentença de Patty Hewes (Damages)... "trust no one"!

(torrentz + legenda)

Sessão retrô

Para quem gosta de dialogar entre os tempos...

Stare Into The Sun by Graffiti6


Fuck You by Cee Lo Green



SpongeBob Hemp-Pants

La Comunidad, com Carmem Maura

Sempre quis saber o que acontece quando se jogam pérolas aos porcos...


TRAILER


Para baixar o torrentz do filme com a legenda, clique aqui!


Big Business (1988)

The Devil wears Prada copiou ou não copiou, DESCARADAMENTE, essa cena de Big Business?


Quer saber por que Bette Midler é uma das melhores atrizes de Hollywood e por que Big Business continua como uma grande referência mesmo 20 anos depois?

Clique aqui para baixar o torrentz do filme com a legenda!

Bom filme!


Quando me Apaixono (Then she Found Me)


Estréia de Helen Hunt na direção. Com Bette Midler e, claro, Helen Hunt. Helen é a protagonista de uma história bem interessante. Vale a pena. É drama, é comédia e é romance, é, acima de tudo, leve como a vida deve ser.


Virginia Woolf


"Se eu tivesse nascido sem saber que uma palavra segue a outra, talvez quem sabe, pudesse ser qualquer coisa. Mas do modo como as coisas são, encontrando sequências por toda a parte, não suporto a pressão da solidão".

The Oblongs

Esse desenho promete...

V FOR VENDETTA

http://www.youtube.com/watch?v=NVauZNOp1es

Good evening, London.

Allow me first to apologize. I do, like many of you, appreciate the comforts of the everyday routine, the security of the familiar, the tranquility of repetition. I enjoy them as much as any bloke. But in the spirit of commemoration where by important events of the past, usually associated with someone's death or the end of some awful, bloody struggle are celebrated with a nice holiday. I thought we could mark this November the 5th. a day that is, sadly, no longer remembered by taking some time out of our daily lives to sit down and have a little chat. There are, of course, those who do not want us to speak. I expect Even now, orders are being shouted into telephones and men with guns will soon be on their way. Why? Because while the truncheon may be used in lieu of conversation words will always retain their power. Words offer the means to meaning and, for those who will listen, the enunciation of truth. And the truth is there is something terribly wrong with this country, isn't there? Cruelty and injustice, intolerance and oppression. And where once you had the freedom to object to think and speak as you saw fit you now have censors and surveillance coercing your conformity and soliciting your submission. How did this happen? Who's to blame? Certainly there are those who are more responsible than others. And they will be held accountable. But again, truth be told, if you're looking for the guilty you need only look into a mirror. I know why you did it. I know you were afraid. Who wouldn't be? War, terror, disease. There were a myriad of problems which conspired to corrupt your reason and rob you of your common sense. Fear got the best of you. And in your panic, you turned to the now High Chancellor Adam Sutler. He promised you order, he promised you peace and all he demanded in return was your silent, obedient consent. Last night, I sought to end that silence. Last night, I destroyed the Old Bailey to remind this country of what it has forgotten. More than 400 years ago, a great citizen wished to imbed the 5th of November forever in our memory. His hope was to remind the world that fairness, justice and freedom are more than words. They are perspectives. So if you've seen nothing if the crimes of this government remain unknown to you then I would suggest that you allow the 5th of November to pass unmarked. But if you see what I see if you feel as I feel, and if you would seek as I seek then I ask you to stand beside me, one year from tonight outside the gates of Parliament. And together, we shall give them a 5th of November that shall never, ever be forgot.

Basic space...

... open air...

SOMETHING GOOD CAN WORK

Doctor Rockit

Café de Flore

Earhta Kitt

Monarchy

Cecília Meirelles

Sonhei um sonho
e lembrei-me do sonho
e esqueci-me do sonho
e sonhei que procurava
em sonho aquele sonho
e pergunto se a vida
não é um sonho que procurava um sonho.

Divulgada as fotos do set da 5ª Temporada de Dexter









No te metas a mi facebook

Dzi Croquettes

Trailer da 5ª Temporada de DEXTER

Rita MORREU!
Achei isso foda demais, fiquei bem triste. Mas... pelo que entendi do trailer foi uma das mais sensatas medidas a serem tomadas pra manter a série ainda mais eletrizante. Aliás, só de ver o trailer já me vem umas coisas na cabeça sobre a morte de Rita, mas coisas que não consigo expressar...

Comercial da Motorola

Human, by The Killers

In The Summer, by Crystal Fighters

Charles Bukowski

Se vai tentar
siga em frente.

Senão, nem começe!
Isso pode significar perder namoradas
esposas, família, trabalho...e talvez a cabeça.

Pode significar ficar sem comer por dias,
Pode significar congelar em um parque,
Pode significar cadeia,
Pode significar caçoadas, desolação...

A desolação é o presente
O resto é uma prova de sua paciência,
do quanto realmente quis fazer
E farei, apesar do menosprezo
E será melhor que qualquer coisa que possa imaginar.

Se vai tentar,
Vá em frente.
Não há outro sentimento como este
Ficará sozinho com os Deuses
E as noites serão quentes
Levará a vida com um sorriso perfeito
É a única coisa que vale a pena.

Myriam Muniz (documentário)

28/10/1931 — 18/12/2004




"Amélia" (2000), de Ana Carolina

Genial!
Ana Carolina tem o mesmo poder artístico que Luis Fernando Carvalho. Ambos são um dos poucos cineastas brasileiros que conseguem construir um universo tão verossímil e particular. Não se deixaram tomar por nada, a não ser por eles mesmos.

"Amélia" é cômico, irônico, original. E quer saber? Eu quero é me rasgar por esse filme, é muito bom!!!! Fiquei tão atormentado com tudo o que vi que sequer consigo pensar, descrever. Mais do que recomendar um filme desses é dizer que ele é essencial!

Queria conhecer Ana Carolina, pessoalmente...